Boyan Slat

O nosso rebelde de hoje é alguem que ao fazer uma pergunta muito simples recebeu como resposta:”É impossivel.”, “Não é económicamente viável.”, “Demoraria milhares de anos.”. Boyan Slat ao ouvir estas respostas recusou-se a aceitar as mesmas como unica narrativa viável.

Tudo começou quando Boyan tinha apenas 16 anos e, quando estava de férias com a familia na Grécia, e foi mergulhar. Sendo Boyan um aficionado de mergulho, contava encontrar paisagens submarinas maravilhosas no mar mediterrâneo. Em vez disso o que encontrou em abundância foram sacos de plástico. Encontrou mais sacos do que peixes nos seus mergulhos.   

A pergunta que fez foi:”porque é que não limpamos isto tudo?”

Por coincidência uma semana mais tarde teve a oportunidade de escolher um tema livre na escola e pode dedicar uma semana por completo ao estudo deste problema.

Em 2012 deu uma conferencia na Ted Talk sobre o tema e ganhou projecção mundial que lhe permitiu um ano mais tarde fundar a Ocean Cleanup. 

Boyan aos 18 anos abandona a escola e cria uma organização sem fins lucrativos com a missão de limpar o plástico dos oceanos.

De seguida surgiu uma campanha de crowdfunding que arrecadou 2,2 M de dolares. com 38.000 pessoas a participarem na mesma. 

Com estes fundos a organização lançou-se numa furia de pesquisa. O maior problema que tinham na altura era a falta de informação generalizada. Não havia uma estimativa confiavel sobre a quantidade de plástico nos oceanos ou sobre qual a profundidade até onde precisavam ir para remover os plásticos dos oceanos. De seguida foi feito um mapeamento extensivo do Great Pacific Garbage Patch. Aproveitamos aqui para focar que nos oceanos há 5 pontos em particular onde as correntes (em formato remoinho) propiciam a uma acumulação de plásticos sendo que o maior a nivel mundial situa-se entre a Califórnia e o Havai no Oceano Pacífico e é chamada Great Pacific Garbage Patch

Estes são pontos criticos que precisam ser atacados com o objectivo de resolver o problema a nivel mundial.

Depois passaram para uma fase de prototipagem onde o conceito foi forçado a evoluir. 

Em 2018 foi posto em funcionamento o primeiro protótipo que acabou por revelar probelmas com a retençao de plásticos e com a sua integridade estutural o que levou a que um ano depois fosse lançada nova versao com estes problemas resolvidos.

Já em 2021 posta em funcionamento no Oceano Pacifico a o SYSTEM 002. Uma versão resultante do conhecimento acumulado nos ultimos anos. 

Um ano antes a Ocean Cleanup mostrou a primeira grande recolha de plástico feita no Great Pacific Garbage Patch Pelo seu SYSTEM 001 mostrando resultados práticos. O seu objectivo é no ano 2040 reduzir em 90% o plástico que flutua nos oceanos.

Ao longo dos anos os planos da Ocean Cleanup têm evoluido imenso. Começou com um conceito de uma estrutura fixa no leito do oceano que coletava os plasticos à supercficie. Pesquisa e mais pesquisa tem sido uma das mais importantes companheiras de Boyan neste percurso. O primeiro conceito mostrou-se impraticavel. O segundo conceito aproveitava as próprias correntes para maximizar o seu poder de recolher plástico. E assim foi evoluindo até conseguir chegar ao atual SYSTEM 002. 

A Ocean Cleanup é constituida sempre por uma ambição incrivel mas complementada por uma visão muito clara e consciente a apoiada em pesquisa e dados. 

Rápidamente chegaram à conclusão de que se conseguissem parar o plástico de entrar nos oceanos a sua missão seria infinitamente mais simples. 

Com esse objectivo em mente chegaram à conclusão que dos 100.000 rios existentes no planeta, 1000, portanto 1% dos rios no mundo, são responsaveis por 80% dos plásticos nos oceanos. 

Se ao menos existisse uma forma de recolher esse plástico antes de ele chegar aos oceanos!!

E foi assim que entre 2015 e 2016 a Ocean Cleanup começou a trabalhar nesta hipótese. 

Em 2017 o Interceptor foi apresentado. É um “barco” criado para funcionar de forma autónoma no estuário dos rios e recolher o plástico que vai correndo em direção ao mar. Funciona 100% a energia solar. A única intervenção humana é para recolher o lixo do Interceptor para terra para depois ser processado.

O dois primeiros estão já em funcionamento em 2 dos rios mais poluidos do mundo, um na Indonésia e outro na Tailandia, sendo que os 2 seguintes já estão comissionados para a Republica Dominicana e para a Califórnia.

Boyan Slat é aos 24 anos fundador e CEO da Ocean Cleanup e tem como objectivo conseguir o que lhe disseram ser impossivel. 

Limpar os oceanos de plástico, proteger os diferentes ecosistemas e evitar que dentro de alguns anos exista mais plástico do que peixes nos oceanos.

Boyan Slat, conseguiu que o impossivel de 2013 se tornasse, em 2021 uma questão de poucos anos.